Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Polaris Apresenta UTV Elétrico na Agrishow 2012

A Polaris, empresa norte-americana líder no segmento de veículos off-road nos EUA, apresenta o seu veículo elétrico Ranger EV na 19ª edição da Agrishow (Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação), que acontece entre os dias 30 de abril e 04 de maio, em Ribeirão Preto, São Paulo. Classificado como UTV (Utility Terrain Vehicle), ou side-by-side como é conhecido no mercado norte-americano, o Ranger EV é um veículo compacto como um quadriciclo (veículo do qual foi originado), mas com características de condução de um automóvel, podendo ser usado de forma comercial (para trabalho) ou recreativa (lazer). O modelo, não poluente e silencioso, é perfeito para o uso em propriedades agrícolas, com criação de animais, ecoturismo, aplicações industriais e outras onde se faz necessária a ausência de ruído e de gases poluentes. Equipado de série com tração nas quatro rodas (AWD) e suspensão traseira independente (IRS), o Ranger EV possui motor elétrico com potência de 30CV, o qual permite uma velocidade máxima de 40 quilômetros por hora e uma autonomia de até 80 quilômetros (dependendo das condições de uso). Possui capacidade de carga total de 454 quilos e capacidade de tração de 567 quilos. “Os veículos elétricos são potentes e mantém as mesmas características de robustez e versatilidade dos demais produtos Polaris. O que difere é que no caso do Ranger EV basta uma recarga em uma tomada comum para o veículo estar pronto novamente para mais um dia de trabalho”, afirma Rodrigo Lourenço, diretor geral da Polaris Brasil. Atualmente a Polaris também é detentora das marcas GEM e Goupil, do segmento elétrico, tendo adquirido as duas fabricantes em 2011. Sobre a Polaris Com faturamento de US$ 2,7 bilhões em 2011, a Polaris desenvolve, produz e comercializa veículos off-road inovadores e de alta qualidade, incluindo quadriciclos (ATVs) e side-by-sides (UTVs). Com mais de seis décadas de história, possui 4.700 funcionários diretos e está presente em mais de 130 países, sendo 10 subsidiárias (Alemanha, Austrália, Brasil, China, Espanha, França, Índia, Inglaterra, Noruega e Suécia). Atualmente seus produtos são distribuídos através de 1.600 revendedores nos Estados Unidos e mais de 800 no restante do mundo. A empresa norte-americana é líder de mercado nos EUA e detentora das marcas de motocicletas Indian e Victory, de veículos elétricos GEM e Goupil, além da homônima Polaris, de ATVs e UTVs.

Espécie considerada extinta na natureza frutifica no JBRJ

A Terminalia acuminata, espécie dada como extinta na natureza pela UICN, tem apenas três indivíduos vivos conhecidos – e eles estão dando frutos no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. A espécie arbórea Terminalia acuminata (Fr. Allem.) Eichl. (Combretaceae), conhecida como jundiaí ou guarajuba e considerada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) como Extinta na Natureza, está produzindo frutos no arboreto do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. A T. acuminata é uma espécie endêmica do estado do Rio de Janeiro e foi muito explorada devido à boa qualidade da sua madeira, utilizada em construção civil e naval. Um dos últimos registros de coleta da espécie na natureza se deu em 1942. Em 2001, pesquisadores publicaram na Revista Brasileira de Botânica (Volume 24, n.1, p.51-62) o registro de uma população remanescente em um fragmento de mata no norte do estado do Rio de Janeiro, mas existem dúvidas sobre a determinação dessas amostras. Atualmente, os únicos três indivíduos confirmadamente vivos e conhecidos da T. acuminata são os que se encontram no Arboreto do JBRJ. A Curadoria de Coleções Vivas do JBRJ e o Centro Nacional de Conservação da Flora – CNCFlora/JBRJ estão trabalhando para garantir a sobrevivência da espécie. Além das atividades de pesquisa conduzidas pelo Laboratório de Sementes do JBRJ, a Curadoria está fazendo experimentos para definir um protocolo de cultivo para T. acuminata que possa ser adotado na produção de novas mudas. Parte destas mudas será enviada para outros jardins botânicos brasileiros para assegurar sua conservação ex situ. O estabelecimento de uma estratégia para a conservação de T. Acuminata ainda depende de exaustivas buscas em campo, além de estudos de viabilidade e germinação de sementes. Espera-se que, futuramente, a espécie possa ser reintroduzida na natureza, em projetos de restauração ecológica. FONTE: JARDIM BOTÂNICO RIO DE JANEIRO FOTO: DIVULGAÇÃO

domingo, 29 de abril de 2012

Exposição “Orquídeas no Jardim” ensina como cultivar as flores no RJ

“Reciclagem e Cultivo de Orquídeas no Rio de Janeiro” é o tema da 26ª edição da mostra, que acontece até o dia 1 de maio no Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Neste fim de semana e feriadão, a exposição Orquídeas no Jardim vai ensinar aos visitantes a maneira correta de amarrar as flores em árvores. Serão oferecidos gratuitamente folhetos, palestras e oficinas, além de atividades para crianças. Haverá também visitas guiadas. O evento é ainda uma oportunidade para conhecer a coleção permanente de orquídeas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, bem como de apreciar as mais belas flores reunidas por colecionadores do Rio de Janeiro e de outros Estados. O funcionamento vai das 8h às 17h. O Brasil possui mais de 2.500 espécies de orquídeas e aproximadamente um terço delas se encontra no Estado do Rio de Janeiro. Espírito Santo e Minas Gerais também são grandes produtores. Assim, a exposição vem contribuir para difundir o conhecimento e as práticas corretas sobre como fazer brotar uma nova flor, seja em casa, seja nas ruas da cidade. A exposição Orquídeas no Jardim é promovida pelo designer Antonio Bernardo, que patrocina o Orquidário do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, e é organizada pela OrquidaRio, maior associação de orquidófilos da América Latina. Exposição Orquídeas no Jardim Jardim Botânico do Rio de Janeiro Até 1 de maio de 2012 Endereço: Rua Jardim Botânico, 1008 Estacionamento: Para evitar filas no fim de semana e feriado, dê preferência ao estacionamento do Jockey Club Brasileiro – Praça Santos Dumont, 31. Horário: Das 8h às 17h Ingresso: R$ 6,00 - Entrada franca para maiores de 60 anos, crianças até 7 anos, estudantes uniformizados da rede pública e deficientes, com direito a um acompanhante. Informações: 2512-7204 Confira a programação completa: Palestras e Workshops: Sábado, 28/4 8h - Abertura ao público 9h - Visitação monitorada em torno da exposição 10h - Visitação monitorada em torno da exposição; 11h - Teatrinho infantil, na tenda 12h - Oficina de cultivo, na tenda 14h - Oficina de cultivo, na tenda 15h - Palestra sobre Cultivo de Phalaenopsis com Fernando Setembrino, na tenda 17h - Encerramento Domingo, 29/4 8h - Abertura ao publico 9h - Visitação monitorada em torno da exposição 10h - Visitação monitorada em torno da exposição; 11h - Teatrinho infantil, na tenda 12h - Oficina de cultivo, na tenda 14h - Oficina de cultivo, na tenda 15h - Palestra sobre Cultivo de Vandas e afins com Eduardo Cantelli, na tenda 17h - Encerramento Segunda, 30/4 8h - Abertura ao publico 9h - Visitação monitorada em torno da exposição 10h - Visitação monitorada em torno da exposição; 11h - Teatrinho infantil, na tenda 12h - Oficina de cultivo, na tenda 14h - Oficina de cultivo, na tenda 15h - Palestra sobre Cultivo de Catasetum e afins com Luciano Ramalho, na tenda 17h - Encerramento Terça, 1/5 8h - Abertura ao público 9h - Visitação monitorada em torno da exposição 9h30 às 12h Curso de cultivo (1ª parte) com Delfina de Araújo, no Laboratório Social 10h - Visitação monitorada em torno da exposição; 11h - Teatrinho infantil, na tenda 12h - Oficina de cultivo, na tenda 13h30 às 16h30 - Curso de cultivo (2ª parte) com Carlos Antônio A. de Gouveia, no Laboratório Social 17h - Encerramento

sábado, 28 de abril de 2012

IGUAÇU PRONTO PARA RECEBER 25 MIL NO FERIADÃO DO TRABALHADOR

por Adílson Borges Devido ao movimento do feriadão do Dia do Trabalhador, o Parque Nacional do Iguaçu planejou uma logística especial para atender cerca de 25 mil visitantes durante os quatro dias (29 de abril a 1º de maio). A maior movimentação deve acontecer no domingo (29), com a entrada de 10 mil pessoas. Para agilizar o acesso, o Centro de Visitante abrirá uma hora mais cedo, às 8h. No mesmo local haverá reforço de servidores nas bilheterias, sala de turismo, passe comunidade, lojas de souvernirs, lanchonetes e no restaurante Porto Canoas. Ingresso online Para garantir mais comodidade e tranquilidade aos visitantes, existe a opção da compra antecipada de ingressos pelo site da Cataratas do Iguaçu S/A. Após a compra basta imprimir o voucher e seguir até a bilheteria especial para retirar o ingresso no Centro de Visitantes. Em função das diferentes modalidades de bilhete, o visitante precisará confirmar os dados informados por meio de documentos pessoais com foto. Serviço: Horários de visitação: Sábado, segunda e terça: 9h às 17h Domingo: 8h às 17h Mais informações: (45) 3521- 4400 ou no site www.cataratasdoiguacu.com.br

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Brasil ratifica acordo com a ONU para realização da Conferência Rio+20

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (26) o projeto de decreto legislativo que autoriza a ratificação do acordo firmado entre o Brasil e a Organização das Nações Unidas (ONU) para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Cnuds), a Rio+20, no Rio de Janeiro, de 13 a 22 de junho. Crescimento econômico sustentável é parte integrante de ações promovidas pelo Brasil. O evento ocorre 20 anos depois da Eco-92, ou Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (Cnumad), que também tratou de desenvolvimento sustentável. O documento firmado entre o Brasil e a ONU define as instalações onde será a conferência, os equipamentos, as instalações médicas, a hospedagem, o transporte, o financiamento e as responsabilidades civis, os privilégios, a segurança e as imunidades dos participantes, entre outros pontos. A Rio+20 vai debater, como um dos principais temas, a economia verde no contexto da sustentabilidade e a erradicação da pobreza, além do arcabouço institucional para o desenvolvimento sustentável. Poderão participar do evento representantes dos Estados membros ou não membros da ONU, da Agência Internacional de Energia Nuclear (Aiea), do Banco Mundial (Bird), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da Organização Mundial do Comércio (OMC), além de entidades e organizações não governamentais que se credenciarem. De acordo com o relator do acordo na Comissão de Relações Exteriores, deputado Bohn Gass (PT-RS), a Rio+20 será a oportunidade para que seja feito um balanço de como todos estão tratando os resultados da primeira conferência, em 1992, e de como estão sendo cumpridos os acordos internacionais sobre o assunto. Fonte: Agência Brasil

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Colômbia e Peru se interessam por tecnologia brasileira para despoluição de rios

} A tecnologia empregada na despoluição de rios na cidade do Rio de Janeiro, através das Unidades de Tratamento de Rios (UTRs) do Arroio Fundo, em Jacarepaguá, do Flamengo, de Barra de Guaratiba, e o Piscinão de Ramos, despertou o interesse de autoridades e executivos da Colômbia e Peru. Uma comissão desses dois países estará esta semana na capital carioca para avaliar os empreendimentos, executados pela Fundação Rio-Águas, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Obras do Rio de Janeiro. As UTRs, assim como o Piscinão de Ramos, operam através do sistema FLOTFLUX®, processo de aplicação sequencial e em fluxo das técnicas de Coágulo/Floculação e Flotação para melhoria de cursos e corpos d'água. Desenvolvido pela DT Engenharia, com dezenas de aplicações consagradas, é uma tecnologia exclusiva de tratamento de água, esgoto, rios e balneários, 100% nacional e inédita em escala mundial, com patente e marca registrada junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A UTR do Arroio Fundo, que trata atualmente 1.800 litros por segundo, deságua na Lagoa da Tijuca e recebeu em julho a visita dos representantes do Comitê Olímpico Internacional (COI). A UTR faz parte do projeto de despoluição das lagoas da Barra da Tijuca, Camorim e Jacarepaguá, compromisso do Caderno de Encargos das Olimpíadas de 2016. Os integrantes da missão querem conhecer e entender o funcionamento das UTRs, para avaliar a possibilidade de aplicação da tecnologia nos rios das regiões que representam. As UTRs operam basicamente em quatro etapas: 1) Retenção de resíduos sólidos, 2) Injeção de coagulantes e polímeros – Floculação, 3) Microaeração da massa líquida – Flotação e 4) Remoção e transporte de lodo flotado. As metas do processo FLOTFLUX® são alcançadas pela alta redução de substâncias poluentes indicadoras de qualidade como os Sólidos Suspensos, Coliformes, Fósforo Total, Óleos, Graxas e pela diminuição expressiva de parâmetros perceptíveis como a Cor, a Turbidez e o Odor da água tratada. Como resultado da aplicação, tem-se o aumento da oxigenação das águas, fator fundamental para a preservação e a conservação da vida aquática. Fazem parte da comissão Juan Fernando Gaviria, da Pieralisi MCA – Colombia; Miguel Angel Munar, diretor de aqueduto de Bogotá; Juan Bernardo Botero, diretor técnico de meio ambiente do Ministério de Meio Ambiente da Colômbia; e Luis Jairo Gaitán, diretor de águas potáveis e tratamento de águas residuais de Caldas. Fonte: .Brandpress

Código Florestal: O que já estava ruim ficou pior

por Marcelo Torres O Greenpeace divulgou nesta quinta-feira (26) uma nota intitulada “O início do fim das florestas”, criticando duramente a aprovação, na Câmara dos Deputados, do novo Código Florestal. “Na noite desta quarta-feira a Câmara dos Deputados mostrou o que quer: o fim das florestas no Brasil”, diz o texto já no início. Para a entidade ambientalista, “o texto aprovado dá anistia total e irrestrita a quem desmatou demais – mesmo aqueles que deveriam e têm capacidade de recuperar matas ao longo de rios, por exemplo – e ainda dá brecha para que mais desmatamentos ocorram no país”. No texto, o Greenpeace diz que o novo Código Florestal “é resultado de um processo que alijou a sociedade, e vai contra o que o próprio governo desejava. Com isso, avanços ambientais conquistados ao longo de décadas foram por água abaixo”. “Acabamos de assistir ao sequestro do Congresso pelos ruralistas”, criticou o diretor da Campanha da Amazônia do Greenpace, Paulo Adario, para quem, os 274 deputados que votaram favoráveis são “uma malta de ruralistas que se infiltrou e contaminou o tecido democrático brasileiro como um câncer”. O ambientalista também disse: “Desde o início do processo, o Brasil esteve refém dos interesses do setor, que fez de tudo para incorporar suas demandas ao projeto de lei. A população, que se mostrou contrária à anistia aos desmatadores e a brechas que permitem mais devastação, foi o tempo inteiro ignorada”. Entre ambientalistas, entidades de defesa das florestas, parlamentares defensores da causa e movimentos sociais e entidades da sociedade civil, é cada vez maior o movimento “Veta, Dilma”, que pede à presidenta da República para vetar diversos pontos da proposta aprovada. “O projeto consolida desmatamentos em áreas sensíveis e estratégicas, como margens de rios e topos de morro, anistia desmatadores, abre espaço para mais derrubada de florestas nativas e para a especulação fundiária e reforça uma cultura de impunidade, de desrespeito à legislação e desvalorização do patrimônio natural”, diz a WWF Brasil, outra entidade ambientalista, que realizou no último domingo dezenas de manifestações em todo o país pedindo o veto presidencial à matéria. Em artigo publicado nesta quinta-feira no seu blog no portal UOL, o jornalista e doutor em Ciência Política, Leonardo Sakamoto criticou a decisão dos deputados e analisou as opções de sanção ou veto da presidenta Dilma Rousseff. “Se Dilma vetar a maior parte do texto, estará apoiando os que atuam na defesa de um desenvolvimento minimamente sustentável e na garantia da qualidade de vida das gerações futuras”, avaliou ele. “Isso vai satisfazer ambientalistas, cientistas, parte dos formadores de opinião e da sociedade civil, alguns ministros, mas comprará uma boa briga com a Frente Parlamentar da Agricultura, vulgo bancada ruralista, federações de produtores rurais, outros ministros e grandes empresas do agronegócio – que veem no instrumento uma forma de facilitar seus processos produtivos e aumentar seu poder de concorrência e/ou sua taxa de lucro”, completa. Ainda segundo Sakamoto: “ Se [a presidenta] sancionar, vai mandar um recado claro: as políticas sociais e ambientais, declaradas como prioritárias, serão aplicadas desde que dentro de limites impostos pela governabilidade. Ou seja, nada de novo. Teremos que nos contentar com mais três anos de “utopia do possível”, expressão forjada na gestão FHC para encobrir os ossos lançados por quem está dentro da festa para a horda que aguarda do lado de fora”, compara. “Outro recado: no modelo de independência institucional vigente, não há governabilidade sem que os prejuízos de setores do agronegócio sejam socializados, enquanto os lucros mantenham-se privados”, completou. Em entrevista à Agência Brasil, nesta quinta-feira, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria Geral da Presidência da República, disse que a presidenta Dilma Rousseff “analisará com serenidade” a possibilidade de veto. “Nós esperávamos um resultado que desse sequência àquilo que foi acordado no Senado”, disse o ministro. “A presidenta vai analisar com muita serenidade, sem animosidade, sem adiantar nenhuma solução. Vamos analisar com calma”, completou ele, após participar do debate Diálogos Sociais: Rumo à Rio+20. O ministro disse ainda que a decisão da presidenta Dilma levará em conta aspectos além da repercussão que o Código Florestal possa ter na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). “Muito mais importante que a Rio+20 é o nosso cuidado com a preservação e com o modelo de desenvolvimento sustentável que pregamos”. O texto base do novo Código Florestal foi aprovado nesta quarta-feira (25) na Câmara dos Deputados, com as mudanças propostas pelo relator da matéria, deputado Paulo Piau (PMDB-MG), que agradaram aos ruralistas, mas desagradaram ambientalistas, movimentos sociais e entidades da sociedade. “O deputado [relator da matéria] conseguiu a proeza de deixar pior algo que já estava ruim”, sintetizou o jornalista Leonardo Sakamoto. Fonte: com informações dos portais UOL, Terra e Agência Brasil

quarta-feira, 25 de abril de 2012

ANAVILHANAS (AM) LANÇA MAPA E PAINEL TURÍSTICO

O Parque Nacional (Parna) de Anavilhanas, no Amazonas, e a representação local do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AM) acabam de lançar o mapa e o painel turístico da unidade de conservação, gerida pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A ação integra o Projeto de Fomento do Turismo em Parques Nacionais e Entorno, iniciativa do Ministério do Turismo (MTur), do ICMBio, da Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura (Abeta) e do Sebrae. Anavilhanas foi um dos cinco parques nacionais pilotos do projeto, que tem como objetivo desenvolver o turismo por meio do fortalecimento do setor empresarial e de ações de integração da cadeia produtiva do turismo com as unidades de conservação. Capitaneado pelo Sebrae/AM, o projeto que se encerraria neste ano, prosseguirá até 2015, com apoio da Secretaria Municipal de Turismo de Novo Airão e a Amazonastur. Com tiragem inicial de 11 mil unidades, “os mapas representam um importante avanço na gestão do uso público do Parna Anavilhanas, pois permitem aos visitantes acesso fácil às informações básicas da unidade, com destaque para os atrativos e atividades abertas à visitação”, explica a chefe do Parna, Priscila Santos. Portaria Além dos mapas, a gestão da unidade celebra a publicação da portaria de ordenamento do uso público. Após quatro anos da recategorização da unidade para parque nacional, Anavilhanas finalmente teve publicadas as normas para visitação, que valerão até a elaboração da revisão e atualização do Plano de Manejo, datado de 2002, quando a unidade ainda era uma estação ecológica. “De fato, o Parque estava aberto ao turismo, mas sem nenhuma normativa, o que dificultava bastante a gestão do uso público, sobretudo por ser uma das principais atividades econômicas de Novo Airão”, afirma Priscila Santos. Comunicação ICMBio

terça-feira, 24 de abril de 2012

ICMBIO ATUALIZA LISTA DA FAUNA AMEAÇADA DE EXTINÇÃO

A previsão é que a publicação da lista oficial de espécies ameaçadas, conduzida pelo ICMBio, esteja concluída até o fim de 2014. “A título de comparação, para compor a lista atual de espécies ameaçadas, com 627 espécies, foram avaliadas no total pouco mais de mil espécies, selecionadas por especialistas que dispunham de conhecimento prévio de que estas sofriam algum grau de ameaça”, afirmou o coordenador de espécies ameaçadas do ICMBio, Ugo Vercillo. Segundo ele, o processo conta com a participação da comunidade cientifica brasileira. Inclui uma primeira etapa de avaliação do risco de extinção das espécies, na qual os especialistas categorizam as espécies de acordo com seu risco de extinção, e uma segunda fase, de validação dos resultados. Para a avaliação de risco de extinção, é utilizado a metodologia da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN), que identifica as espécies ameaçadas com três diferentes graus de risco, “vulnerável”, “em perigo” e “criticamente em perigo”. “Algumas espécies poderão sair da lista de espécies ameaçadas. O principal motivo é o aumento do conhecimento a respeito da espécie. Por exemplo, algumas espécies possuem distribuição e abundância bem maiores do que se acreditava quando ela foi avaliada em 2002. Outros casos, porém, revelam uma melhora real da condição da espécie. Um exemplo é a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari). A espécie continuará na lista de espécies ameaçadas, porém provavelmente terá sua categoria de risco de extinção diminuída, principalmente pelo aumento do número de indivíduos na natureza, resultado dos programas de conservação direcionados à espécie”, concluiu Vercillo. Serviço: Saiba mais informações sobre o processo de avaliação da fauna brasileira, o método utilizado e as avaliações que estão sendo conduzidas em http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/fauna-brasileira/estado-de-conservacao.html Comunicação ICMBio

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Agência abre isncrições para Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos


A Agência Nacional de Águas (ANA) estará com as inscrições abertas para a primeira turma do curso a distância “Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos” entre 24 e 26 de abril. Os interessados poderão se inscrever gratuitamente em www.trainning.com.br/eadana.asp e não serão aceitas inscrições realizadas fora do formulário contido no endereço eletrônico. A capacitação tem 400 vagas que serão preenchidas por ordem de inscrição. Com carga horária de dez horas, o curso poderá ser acessado a partir de 2 de maio em www.trainninglive.com.br e deverá ser concluído em até 15 dias.

O objetivo do curso é proporcionar aos participantes um melhor entendimento a respeito da outorga de direito de uso de recursos hídricos, um dos instrumentos de gestão da Política Nacional de Recursos Hídricos. Serão abordados conceitos, aspectos legais, tipos de outorga existentes, usos sujeitos à outorga, entre outros assuntos.

Receberão certificado digital – validado pela ANA – os alunos que concluírem a capacitação com aproveitamento mínimo de 70% em avaliação de desempenho. Mais informações sobre o curso podem ser obtidas pelos telefones (61) 2109-5563 e 5261 ou pelo e-mail gecap@ana.gov.br.

Capacitações da ANA

Este curso faz parte de uma série a distância promovida pela Agência Nacional de Águas. Em 2012 ainda será oferecido o curso Cuidando das águas, além de novas edições dos cursos já realizados no primeiro semestre: Comitê de Bacia: o que é e o que faz?, Comitê de Bacia: Práticas e Procedimentos, Introdução à Conservação de Águas em Sistemas Prediais, Hidro 1.2 – Sistema para Gerenciamento de Dados Hidrológicos e Outorga de Direito de Uso de Recursos Hídricos. Para acompanhar as capacitações realizadas pela ANA, acesse o Portal de Capacitação: http://capacitacao.ana.gov.br.
Texto:Ascom/ANA
Foto: Zig Koch / Banco de Imagens ANA

domingo, 22 de abril de 2012

TAMAR/ICMBIO ENCERRA TEMPORADA REPRODUTIVA


O Projeto Tamar/ICMBio fecha a 31ª temporada reprodutiva das tartarugas marinhas (2011/2012) no continente com aproximadamente 17 mil ninhos registrados e protegidos, gerando cerca de 1 milhão e 200 mil filhotes. Na temporada que ocorreu entre setembro e março, estendendo-se em algumas praias até o mês de abril, o número de desovas das tartarugas de couro (Dermochelys coriacea) e das olivas (Lepidochelys olivacea) tiveram crescimento. Para as gigantes o aumento foi de cinco vezes em relação à temporada anterior, passando de 16 para 95 ninhos registrados. A população das tartarugas de couro que desovam no Brasil é a menor de todas, tornando a espécie uma das mais ameaçadas de extinção. As desovas de olivas tiveram um aumento de 12%, passando de 6.621 para 7.373 ninhos.

Neste período, foram flagradas cerca de 1.500 fêmeas em processo reprodutivo, incluindo indivíduos marcados em temporadas anteriores (242 fêmeas) e encontrados pela primeira vez (839 fêmeas). A taxa de manutenção de ninhos in situ permaneceu em torno de 70%. Na praia do Forte, no estado da Bahia, local de maior concentração de desovas de cabeçudas (Caretta caretta) no país, houve um aumento do conhecimento de suas taxas demográficas, o que deverá compor uma melhor avaliação sobre a espécie. Em Sergipe, houve a marcação com transmissores via satélite em indivíduos possivelmente híbridos, para estudo de comportamento.

Na praia de Pipa, no Rio Grande do Norte, continuam as pesquisas com as tartarugas de pente (Eretmochelys imbricata). Recapturas de animais marcados e estudos genéticos demonstraram que a espécie também é capaz de realizar viagens tão longas como as demais. A espécie vem sendo estudada pela médica veterinária, Daphne Wrobel, que em sua tese de doutorado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) correlaciona o peso corporal de fêmeas em reprodução, seus níveis séricos de grelina e leptina e os parâmetros bioquímicos e hematológicos indicadores do seu estado nutricional.

Continuam os estudos sobre os dados de incubação dos ninhos, principalmente em relação ao tempo de incubação que juntamente com uma série de dados históricos, pode indicar ou não variações decorrentes de mudanças climáticas e, consequentemente, atualizar e aprimorar as medidas de mitigação. Duas pesquisas com as tartarugas de couro foram realizadas para dissertação de mestrado de Jordana Borini Freire, sob orientação do prof. Dr. Paulo Dias Ferreira Júnior da Sociedade Educacional do Espirito Santo da Universidade de Vila Velha. Uma sobre a concentração de metais pesados em ovos e filhotes de Dermochelys coriacea no Espírito Santo, e a outra sobre a temperatura de incubação de ovos desta espécie.

O resultado do trabalho de conservação é realizado pelo Tamar/ICMBio através de 16 bases de pesquisa instaladas em áreas prioritárias de desova monitoradas no litoral de cinco estados brasileiros: Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Rio Grande do Norte. O trabalho envolve ações de educação e sensibilização ambiental, envolvimento comunitário e o monitoramento das praias. Os resultados referem-se à temporada no continente, nas áreas de reprodução. As ilhas estão fora, assim como áreas de alimentação, onde não há desovas, como Ubatuba e Ceará, por exemplo. Em breve, os dados das ilhas oceânicas serão divulgados.


Comunicação ICMBio

sábado, 21 de abril de 2012

PROGRAMA BACIA DO ATLÂNTICO TEM LANÇAMENTO MUNDIAL EM SP

niciativa Bacia Atlântico tem lançamento mundial no Palácio dos Bandeirantes

Evento reuniu líderes mundiais para analisar grandes temas relacionados à região

Nesta semana, o Palácio dos Bandeirantes foi palco para o lançamento mundial do programa Atlantic Basin Initiative (Iniciativa Bacia Atlântico), que reunirá pesquisadores e líderes políticos europeus, africanos, latinoamericanos e norteamericanos para analisar a dinâmica própria do Oceano Atlântico em termos econômicos, sociais e políticos. "Contem conosco para ampliarmos esse debate. Ficamos muito felizes em receber a todos para dar o primeiro passo nessa grande caminhada", disse o governador Geraldo Alckmin durante encerramento do evento.

Dentre os temas levantados, estão economia, comércio e investimentos; o papel de atores externos - como China e Índia - na dinâmica da região; desenvolvimento humano, segurança e futuro do Atlântico; e energia e recursos sustentáveis. Alckmin salientou a presença desse último tema nas iniciativas do Estado. "Temos um grande programa de redução de perdas físicas de água. Em algumas capitais brasileiras, a perda chega a 50%. Com convênios, prestamos consultoria para outras cidades brasileiras por meio da Sabesp, uma das grandes empresas de saneamento do mundo."

O encontro teve a participação de nomes como José Maria Aznar, primeiro-ministro da Espanha de 1996 a 2004 e coordenador da iniciativa como professor da Universidade Johns Hopkins, uma das dez melhores universidades americanas; Roberto Abdenur, um dos nomes mais importantes da diplomacia brasileira, que foi embaixador no Estados Unidos, Equador, China, Alemanha e Áustria; Olusegun Obasanjo, ex-presidente da Nigéria (1976-1979 e 1999-2007); Juan Carlos de La Hoz Vinas, chefe das operações do Banco Interamericano de Desenvolvimento no Brasil; e Ricardo Caciofi, diretor do Instituto para Integração para a América Latina e Caribe desde 2005, dentre outros líderes mundiais.


Fonte: Governo de São Paulo

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Ibama impede desmatamento ilegal em Nova Monte Verde/MT

Sinop (20/04/2012) - Dentro das ações da operação Guardiões da
Amazônia, uma equipe do Ibama chegou a tempo de evitar um crime
ambiental na floresta amazônica, na madrugada de ontem na região do
município de Nova Monte Verde/MT. Na área estava tudo pronto para uma
grande extração de madeira. Dois homens foram presos e serão multados.

Foram apreendidas uma motocicleta, uma arma de fogo, grande quantidade
de combustível para abastecer motosserras, além de muito alimento,
indicando que outras pessoas seriam arregimentadas para a empreitada.
Segundo o coordenador da equipe, Bruno Barbosa, a área é conhecida na
região pelos órgãos de segurança pública como "Faixa de Gaza", por se
tratar de alvo de disputas violentas entre grileiros rivais.

A partir de dados fornecidos pelo Sistema de Detecção de Desmatamento
em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
–(INPE), o Centro de Sensoriamento Remoto do Ibama passa as
informações às bases, que fazem a vistoria em campo, permitindo,
assim, rastrear o desmate, a extração e o transporte da madeira ilegal.

“O excelente resultado em Nova Monte Verde, evitando esse grande
crime ambiental é o coroamento de uma estratégia que alia tecnologia a
um quadro de servidores altamente qualificados”, avalia o titular
da Gerência Executiva do Ibama em Sinop, Evandro Selva. Segundo ele,
há uma cadeia que deve ser combatida, a qual se inicia na fase da
extração da madeira, passa pela queima e inevitavelmente culmina no
desmatamento.

A operação Guardiões da Amazônia, por meio de suas equipes aérea e
terrestre, seguindo os indicativos fornecidos pelos satélites,
promoverá fiscalização intensa no Mato Grosso. Se necessário, serão
utilizados instrumentos legais como embargos, multas, apreensões e
prisões como forma de punir quem insiste em degradar a floresta
amazônica.

Badaró Ferrari
Ascom – Ibama

quinta-feira, 19 de abril de 2012

AMMA PROMOVE LANÇAMENTO DE LIVRO SOBRE O CERRADO

por Sara Gomes
Obra “Cerrado, otimismo, realidade e esperança” traça um panorama da enorme biodiversidade do cerrado e da importância da preservação dos recursos naturais

“Cerrado, otimismo, realidade e esperança” é o título do livro do escritor e sociólogo belga Luc Vankrunkelsven, que será lançado nesta sexta-feira, 20, às 9 horas, no auditório da Amma. Na ocasião, será realizada uma palestra sobre o meio ambiente e a sociedade, enfocando a discussão do bioma cerrado internacionalmente. No hall de entrada da agência, também ocorrerá uma exposição do fotógrafo goiano João Caetano, que retrata o cerrado através da fotografia.

Conforme Luc Vankrunkelsven, a obra apresenta a enorme biodiversidade do cerrado, mostrando a grande quantidade de água, as espécies de flora, o clima diferenciado e a importância da preservação desses recursos. “Muitas pessoas conhecem a Amazônia, porém desconhecem o cerrado, principalmente os brasileiros, que devem conhecer a riqueza dos recursos naturais para ajudar a preservar”, explica.

Para o presidente da Amma, Mizair Lemes, o escritor belga apresenta o bioma cerrado em discussões internacionais. “O livro que será lançado fala sobre o meio ambiente no Brasil com um olhar diferenciado para o cerrado”, pontua.

Sobre o escritor
Luc Vankrunkelsven é um escritor, sociólogo, articulador ambiental, social e internacional, que mora na Bélgica desde 1992. Após realizar um intercâmbio no Brasil para conhecer o cerrado, ele conseguiu fazer com que o coordenador do Fórum Goiano, Altamiro Pacheco, e o fotógrafo e ambientalista João Caetano fossem para a Bélgica apresentar as especificidades do bioma no Parlamento Europeu, na Comissão Européia e na Universidade Francesa. O escritor tem visitado várias cidades do Brasil como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Goiânia e Brasília para lançar seu 11° livro e discutir sobre a produção, sustentabilidade e sociedade.

Serviço
Assunto: Amma promove lançamento de livro sobre cerrado
Data: 20 de abril de 2012 (sexta-feira)
Horário: 9 horas
Local: auditório da Amma (Rua 75, esquina com a 66, n° 137, Centro)
Contato: Assessoria de Comunicação da Amma - 3524-1117

Governo promove consulta a estados e municípios para Rio+20

Amanhã (19/04), acontece em Brasília o evento Diálogos Federativos Rumo à Rio+20, que se propõe a ampliar o debate com estados e municípios para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. A iniciativa é do Ministério do Meio Ambiente, juntamente com as Secretarias de Relações Institucionais e de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.
Durante o evento, que será realizado no Auditório do Anexo I do Palácio do Planalto, haverá uma conferência da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, sobre economia verde inclusiva. Na programação está ainda um debate com representantes da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (ABEMA), da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (ANAMMA), do Conselho de Desenvolvimento Social e Econômico (CDES), e da Universidade de São Paulo (USP).
PRESENÇAS
Além de Izabella Teixeira, a abertura contará com a presença dos ministros Moreira Franco (Assuntos Estratégicos, Moreira Franco), Ideli Salvatti (Relações Institucionais), Antonio Patriota (Relações Exteriores) e Miriam Belchior (Planejamento Orçamento e Gestão).
O debate do dia 19 de abril será o primeiro de uma série que prevê encontros para os dias 3 e 4 de maio e 19 de junho. O objetivo é debater, colher sugestões e compilar iniciativas já em andamento para promoção de mudanças nos padrões de produção, distribuição e consumo que considerem os limites da natureza e a equidade entre pessoas, regiões e gerações.
Serviço:
O que: Diálogos Federativos Rumo à Rio+20
Quando: 19 de abril, das 9h às 13h
Onde: Anexo I do Palácio do Planalto – Brasília – DF
Inscrições: http://www.portalfederativo.gov.br/bin/view/Inicio/InscricaoFederativoRio20

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Nova presidenta critica agrotóxicos e transgênicos

Em seu discurso de posse, nesta quarta-feira, a nova presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), a antropóloga Maria Emília Pacheco, criticou os agrotóxicos e os alimentos transgênicos.

“O caminho percorrido historicamente pelo Brasil, com seu modelo atual de produção, nos levou ao lugar do qual não nos orgulhamos - de maior consumidor de agrotóxicos no mundo e uma das maiores áreas de plantação de transgênicos”, disse ela.

“É fundamental adotar o objetivo estratégico da soberania e segurança alimentar e nutricional como eixos ordenadores da estratégia de desenvolvimento do país, para superar as desigualdades socioeconômicas, regionais, étnico-raciais, de gênero e geração e erradicar a pobreza extrema e a insegurança alimentar e nutricional”, afirmou. “Esta perspectiva ainda não está incorporada no atual Plano Plurianual”, disse ela.

A nova presidenta criticou o que chama de “livre atuação das grandes corporações”. “A livre atuação das grandes corporações, apoiada na irrestrita publicidade de alimentos - que tem como um dos alvos principais as crianças – também tem gerado efeitos nocivos para a segurança alimentar e nutricional e em fenômenos como o preocupante avanço do sobrepeso, da obesidade e de doenças crônicas não-transmissíveis”.
Fonte: Ascom/Consea

terça-feira, 17 de abril de 2012

Experiência de Curitiba incentiva desenvolvimento do biodiesel no país



A Frente Parlamentar do Biodiesel do Congresso Nacional vai usar a experiência curitibana no setor para uma discussão nacional voltada à criação de políticas que incentivem a utilização de combustíveis renováveis no país. Foi o que disse nesta segunda-feira (16), em Curitiba, o presidente da Frente Parlamentar, deputado federal Jeronimo Goergen.

“Curitiba mais uma vez é um modelo, e vamos utilizar sua experiência porque o incentivo ao uso do biodiesel significa incentivar a redução de poluentes, a geração de empregos no setor, o incentivo ao pequeno produtor e o desenvolvimento de um setor cada vez mais importante quando se pensa em sustentabilidade”, disse o deputado.

Goergen e outros parlamentares da Frente acompanharam o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, na visita a Curitiba para conhecer de perto a Linha Verde e o sistema Expresso Ligeirão, cuja frota é integralmente abastecida apenas com biodiesel, sem mistura de óleo mineral. Da comitiva participaram também representantes da Associação de Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio).

"A visita do presidente da Câmara e da Frente Parlamentar é resultado da importância do que está sendo feito em Curitiba na área do transporte coletivo e preservação ambiental", afirmou o prefeito Luciano Ducci, que acompanhou o presidente da Câmara e os deputados da Frente Parlamentar do Biodiesel na viagem com o Ligeirão pela Linha Verde.

A mobilização dos deputados acontece no momento em que o governo prepara, para envio ao Congresso, projeto que estabelece um novo marco regulatório na utilização de biodiesel no país. O marco atual é de 5% de mistura de biodiesel ao diesel convencional. A frota de Ligeirões de Curitiba é 100% biodiesel, provando que é possível buscar alternativas ao diesel convencional.

Depois de destacar que projetos como o da Linha Verde – onde nasceu o Ligeirão e o projeto Biodiesel 100 – deveriam ser implantados pelo menos em todas as cidades sede da Copa do Mundo de 2014, o presidente da Câmara, Marco Maia, disse que Curitiba mais uma vez mostra que se preocupa com o meio ambiente e com o futuro.

“Não é mais possível pensar em desenvolvimento sem pensar em energias alternativas e Curitiba dá um exemplo importante, que já começa a atrair a atenção de outras cidades”, disse Maia. Passo Fundo e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, devem ser as primeiras a seguir o exemplo curitibano, afirmou o presidente da Aprobio, Erasmo Carlos Battistella.

Battistella lembrou que quanto maior for a produção de biodiesel, menor será o custo o que, por sua vez, é um incentivo para aumento do consumo. "Curitiba que já era modelo no transporte coletivo, agora é também na busca de combustível alternativo”, afirmou.

Preservação ambiental - O prefeito Luciano Ducci disse aos parlamentares de Brasília e empresários que toda a frota do Expresso Ligeirão da cidade será obrigatoriamente abastecida apenas com biodiesel. Afirmou também que o governo federal precisa adotar medidas de incentivo ao uso do biodiesel, reduzindo o custo, hoje em torno de 30% mais caro do que o diesel convencional. "Mesmo assim, tomamos a decisão de adotar o biodiesel, porque o ganho para o meio ambiente e para a saúde da população são muito importantes".

A visita da Frente Parlamentar, do presidente da Câmara e de empresários do setor começou no aeroporto, ao meio dia, onde eles foram recebidos pelo prefeito e convidados a se deslocar para a Linha Verde em um Ligeirão. Logo após o almoço, a comitiva foi recebida novamente pelo prefeito no Salão Brasil, quando foram apresentados detalhes do projeto.

A cidade tem atualmente 32 ônibus que rodam apenas com biodiesel – 26 deles do Expresso Ligeirão e os seis ônibus que deram origem ao projeto hoje na linha Circular Sul. O projeto que começou em 2009 com o uso de 20 mil litros de biodiesel por mês utiliza atualmente 150 mil litros de combustível.

Até o fim do ano a cidade terá mais 20 ônibus do sistema Ligeirão rodando só com biodiesel. São os ônibus do Ligeirão Norte cujas obras iniciadas pelo prefeito Luciano Ducc na semana passada. Além do Ligeirão movido e biodiesel, Curitiba terá também, ainda em 2012, ônibus híbridos (Hibribus), movidos a eletricidade e biodiesel.

“Curitiba, com os híbridos, será a cidade pioneira mundial a contar com uma frota que, além de movida a eletricidade, pode perfeitamente dispor de biodiesel B-100, isento de óleo mineral, provando a teoria da sustentabilidade com total qualidade de vida”, disse o presidente da Volvo do Brasil, Luiz Carlos Pimenta, que acompanhou a visita da Frente Parlamentar do Biodiesel.

"O pioneirismo curitibano, que remete aos anos 1970, contribuiu para que Volvo se instalasse na Cidade Industrial, e hoje a imagem da empresa não pode mais ser dissociada da paisagem da cidade, com seus eixos estruturais e ônibus cada vez mais modernos e capacidade crescente de passageiros por viagem”, acrescentou Pimenta.

Curitiba tem uma frota de 32 ônibus operando regularmente abastecidos exclusivamente com biodiesel, sem mistura de óleo mineral. Até o fim deste ano serão 82 ônibus, com a entrada em operação do Ligeirão Norte, com 20 veículos e 30 ônibus híbridos, movidos a eletricidade e biodiesel.

Atualmente são 26 ônibus biarticulados do Expresso Ligeirão das linhas Boqueirão e Pinheirinho-Carlos Gomes; e seis ônibus articulados da linha Circular Sul. O consumo mensal atual a frota do projeto é de 150 mil litros de biodiesel. Depois do Ligeirão Norte serão implantados os Ligeirões nos eixos Leste e Oeste, ampliando a frota de biarticulados movidos exclusivamente a biodiesel.


SAIBA MAIS SOBRE O BIODIESEL

Ganho ambiental

Comparada a uma frota equivalente, de ônibus movidos a diesel, a frota do B100 (abastecida 100% com biodiesel) emite 63,7% menos material particulado (fumaça); 46% menos monóxido de carbono e 65% menos hidrocarbonetos totais. Os ônibus do B 100 não produzem óxido de enxofre. Utilizando combustível limpo, Curitiba contribui para melhorar a qualidade do ar fator decisivo em doenças respiratórias como asma e bronquite.

Linha Verde

Este é o mais novo eixo de transporte de Curitiba e representa uma nova geração de corredores exclusivos, projetado, construído e operado levando em conta o princípio de sustentabilidade e permitindo ultrapassagem dos ônibus.

A primeira etapa deste eixo (9,4 quilômetros) foi inaugurada em maio de 2009 e a segunda etapa (11 quilômetros) está em obras. Na primeira etapa são cinco estações (serão 14 no total) na Linha Verde e três na avenida Marechal Floriano que, reformada, passou a ser o braço da Linha Verde em direção ao centro da cidade.

As estações da Linha Verde são amplas, climatizadas e com película que ameniza a incidência dos raios solares em seu interior. A climatização é feita por um processo inédito que garante a entrada de ar 100% puro a cada 90 segundos. A tubulação do ar passa por uma área aquecida com uma lâmpada comum e em seguida em meio a um tanque de água, chegando ao interior da estação limpo e mais fresco.

Ao longo da Linha Verde foram plantadas mil árvores, para formação de um parque linear de 21 mil metros quadrados. O plantio foi feito de forma a que as de maior porte ficassem no entorno das estações, onde há mais frenagens, para formação futura de bosques.

Cerca de 800 rampas; calçadas com relevo; grades de proteção ao pedestre no entorno das estações; e ciclovia fazem parte da Linha Verde. Neste eixo circulam apenas os ônibus do Biodiesel 100, que fazem a ligação Pinheirinho (região sul) à praça Carlos Gomes (centro).

O projeto

O Biodiesel 100, da Prefeitura de Curitiba, com uma frota operando regularmente, é uma experiência inédita na América Latina e, até onde se tem notícia, no mundo. É resultado de anos de pesquisa desenvolvida com apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e de uma ampla parceria coordenada pela Urbs, Urbanização de Curitiba S/A empresa que gerencia o transporte em Curitiba.

São parceiros da Prefeitura de Curitiba neste projeto as empresas operadoras de transporte coletivo Cidade Sorriso e Viação Redentor; as montadoras Scania e Volvo, o Instituto Tecnológico do Paraná (Tecpar), o Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico e Combustíveis (Probiodiesel); a fabricante do combustível, a BSBios Indústria e Comércio de Biodiesel Brasil Sul S/A e a RDP Distribuidora de Petróleo.

O combustível, produzido pela BSBios é à base de soja sem qualquer mistura de gordura animal para impedir cristalização a baixa temperatura, uma das características do clima da cidade. O Biodiesel 100 foi implantado em agosto de 2009, em caráter experimental, com seis dos 14 ônibus da frota da Linha Verde. Eram ônibus articulados, com capacidade para 170 passageiros.

Os resultados obtidos tanto no desempenho dos ônibus quanto no ganho ambiental levaram a Prefeitura de Curitiba a ampliar o projeto, estabelecendo o Biodiesel 100 como combustível de toda a frota do Expresso Ligeirão, que será implantada, gradativamente, nos seis eixos de transporte do município.

Em março do ano passado, os seis articulados do B100 passaram a integrar a frota da linha Circular Sul, entrando em operação os novos Ligeirões – o maior ônibus do mundo, com 28 metros de comprimento e capacidade para 250 passageiros, um aumento de 47% na oferta de lugares. São 26 ônibus nos eixos Boqueirão e Linha Verde/Marechal Floriano.

Novo biarticulado


Além da Linha Verde, a sustentabilidade também está presente no novo padrão de biarticulados de Curitiba. Em março de 2011 entraram em circulação os novos Ligeirões – ônibus com 28 metros de comprimento, com capacidade para 250 passageiros e com motores que permitem a utilização apenas de biodiesel.

É o maior ônibus em operação no mundo. Nas linhas do Expresso Ligeirão o ônibus tem a cor azul, facilitando a identificação pelo usuário. Nas linhas do Expresso convencional eles são vermelhos e trafegam com diesel comum, dentro das especificações legais, com mistura de 5% de biodiesel.

Dados gerais do transporte em Curitiba

A Rede Integrada de Transporte (RIT) atende Curitiba e 13 municípios da Região Metropolitana. Por dia são 2,3 milhões de passageiros transportados.

São 1.915 ônibus que percorrem, por dia, 490 mil quilômetros, num total de 21 mil viagens.

A integração é feita em 364 estações tubo e 30 terminais de transporte (nove na Região Metropolitana). O sistema permite a utilização de quantos ônibus forem necessários, pelo tempo que for necessário, pagando apenas uma tarifa. Na média, os curitibanos utilizam dois ônibus pagando uma única tarifa.

São 81 quilômetros de corredores exclusivos (canaletas).

O índice de acessibilidade da frota de ônibus é de 92%, o maior do país, de acordo com estudo da organização Mobilize Brasil, em 2011.

Até o final deste ano, os usuários de transporte passarão a contar, nos pontos de parada nos terminais e nas estações tubo com painéis luminosos indicando o horário e o tempo previsto para a chegada do próximo ônibus.

O sistema foi implantado neste mês, com o início de funcionamento do Centro de Controle Operacional do Transporte Coletivo e do Trânsito. O próximo passo será a implantação dos painéis nos terminais e estações fazendo com que a informação chegue diretamente ao usuário.

fonte: PMC

LIVRO: FLORESTAS DO BRASIL EM RESUMO

No site http://www.mma.gov.br/index.php?ido=conteudo.monta&idEstrutura=95, tem um importante livro sobre as florestas do Brasil. Um livro bastante útil para trabalhos de professores e alunos.

Prefácio do Livro: FLORESTAS DO BRASIL EM RESUMO

As florestas brasileiras, distribuídas por seis biomas
com características particulares, ocupam cerca de 61%
do território brasileiro e desempenham importantes
funções sociais, econômicas e ambientais. Ofertam uma
variedade de bens, como produtos florestais madeireiros e não madeireiros, e prestam serviços ambientais
essenciais, como a conservação dos recursos hídricos e
edáficos, a conservação da biodiversidade, a estabilidade climática, além de possuir valores culturais.
O manejo das florestas para a produção sustentável de
bens e serviços é tanto um desafio como uma oportunidade para toda a sociedade. Nesse sentido, informa-
ções sobre a extensão, o uso, a qualidade e a importância socioeconômica das florestas são fundamentais
para a gestão dos recursos florestais.
Florestas do Brasil – Em Resumo proporciona uma
visão concisa e atualizada sobre as florestas brasileiras, naturais e plantadas, revelando sua importância
no cenário nacional e internacional. Compila dados de
diversas fontes nacionais produzidas pelos principais
atores envolvidos na gestão, uso e conservação das
nossas florestas.
Esta segunda publicação no ano de 2010, com dados
revisados e atualizados, apresenta novos temas, como
Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal, Crédito Florestal, Sistema Nacional de Parcelas Permanentes e Distrito Florestal Sustentável da BR-163.
Acreditamos que este livreto será de grande utilidade
para todos aqueles que se interessam pela conservação e
pelo manejo dos recursos florestais do Brasil.
Antônio Carlos Hummel
Diretor-Geral do Serviço Florestal Brasileiro

PARQUE DA RESTINGA DE JURUBATIBA FAZ ANIVERSÁRIO

Fernando Pinto

O Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, localizado no norte do estado do Rio de Janeiro e gerido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), comemora neste mês de abril o seu 14ª aniversário.

As comemorações vão ocorrer entre os dias 22 de abril a 5 de maio, em Quissamã, Carapebus e Macaé, áreas que englobam o parque.

Jurubatiba é um abrigo para diversas espécies de fauna e flora das restingas que em outros locais do país estão em risco de extinção. Já foram inclusive encontradas novas espécies na área da unidade.

O parque possui 44 km de praias e 18 lagoas costeiras de rara beleza e de grande interesse ecológico. O Parque também é uma das Unidades de Conservação (UC) com maior número de pesquisas científicas em desenvolvimento.

Comunicação ICMBio

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Cidade de Santos recebe nova estação de qualidade do ar

por: Cristina Couto

A cidade de Santos conta com mais uma estação de monitoramento da qualidade do ar, instalada no Centro de Esporte e Lazer da Praça Eng. José Rebouças, na Ponta da Praia. A nova unidade móvel permitirá que a CETESB compare temporariamente os níveis constatados na estação automática fixa, em operação no bairro do Boqueirão, com os da Ponta da Praia, próxima à região do Porto. As duas estações proporcionarão uma avaliação contínua e em tempo real da qualidade do ar respirado pela população, disponível na internet no endereço www.cetesb.sp.gov.br. Para o secretário estadual do Meio Ambiente, Bruno Covas, presente à inauguração, o equipamento terá um papel importante na avaliação das interferências da atividade portuária na qualidade do ar da região. “Com as duas estações, será possível comparar os dados levantados na área central da cidade e na região da Ponta da Praia", explica.A nova estação permanecerá no local por aproximadamente um ano e medirá os poluentes: partículas inaláveis, ozônio, óxidos de nitrogênio e dióxido de enxofre, além dos parâmetros meteorológicos de umidade relativa do ar, temperatura, direção e velocidade dos ventos, radiação solar global e pressão atmosférica. Em termos de medição uma estação móvel é semelhante a uma estação fixa e necessita de infraestrutura elétrica e de comunicação para funcionar. A diferença primordial é que a estação móvel pode ser deslocada e é utilizada para estudos temporários da qualidade do ar em determinada localidade.Carlos Roberto dos Santos, diretor de Engenharia e Qualidade Ambiental da CETESB, frisa que a Companhia está prestando uma importante contribuição para o município. “Os dados recolhidos subsidiarão as tomadas de decisões e futuras definições de políticas públicas na área ambiental”, disse.A cidade de Santos, desde junho de 2011, conta com uma estação automática fixa, localizada nas dependências do Hospital Guilherme Álvaro, no bairro de Boqueirão. Esta estação mede partículas inaláveis, ozônio, óxidos de nitrogênio e parâmetros meteorológicos.As estações santistas são fruto do processo de licenciamento ambiental da UTE Euzébio da Rocha – Petrobras, localizada na cidade de Cubatão, e funcionarão por meio de parceria entre a CETESB e o Centro de Capacitação e Pesquisa em Meio Ambiente – CEPEMA, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - POLI/USP. A instalação da estação no Centro de Esporte e Lazer da Praça Eng. José Rebouças contou com o apoio da Prefeitura de Santos, que disponibilizou o terreno onde a estação foi instalada.O prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa, ressaltou que a estação chega em uma boa hora, quando a cidade passa por grandes transformações, em função da exploração do pré-sal e do crescimento da atividade imobiliária e portuária: “É importante termos uma base técnica para a tomada de decisões na questão da qualidade do ar".Com a entrada em operação da estação móvel na Ponta da Praia, a rede automática de avaliação da qualidade do ar da CETESB passa a contar com 44 estações, das quais 20 instaladas na Região Metropolitana de São Paulo, 5 na Baixada Santista, sendo 3 na cidade de Cubatão e 2 em Santos, e 19 em outras localidades do Estado.

Serviço Florestal lança editais de concessão para o manejo de 200 mil hectares na Amazônia

Candidatos encontrarão inovações que ampliam a atratividade econômica, como parcelamento da garantia contratual, preço único pelo m³ da madeira e pagamentos de acordo com período produtivo

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) lançou dois editais de licitação para concessão florestal que ofertam, juntos, cerca de 200 mil hectares para a produção de madeira e de produtos não madeireiros de forma legal e sustentável na Amazônia.

Um dos editais é voltado ao manejo de 112 mil hectares na Floresta Nacional (Flona) de Jacundá (RO), lote que está dividido em uma unidade de 55 mil hectares, outra de 32,7 mil hectares e uma de 23,6 mil hectares.

O outro edital é destinado ao manejo de 86 mil hectares na Floresta Nacional Saracá-Taquera, na calha norte do Pará, em uma unidade de 59,4 mil hectares e outra de 26,9 mil hectares.

“Concessão é a alternativa viável para termos uma economia florestal sustentável na Amazônia. Precisamos ganhar escala e incorporar novas áreas de florestas públicas não destinadas nesse processo”, afirma o diretor-geral do SFB, Antônio Carlos Hummel. “Também precisamos discutir urgentemente a implantação de benefícios tributários para quem faz manejo florestal e ao mesmo tempo garante a conservação da biodiversidade”, completa.

Atratividade Econômica
Os candidatos vão encontrar condições econômicas e financeiras que ampliam a atratividade dos editais na fase pré e pós concorrência, como a adoção de preço único pelo metro cúbico da madeira, prestação da garantia contratual em até três fases e pagamentos adequados ao calendário produtivo.

“A ampliação da atratividade econômica das concessões vem acompanhada de mecanismos de incentivo à melhoria constante da performance dos concessionários, visando aumentar o retorno gerado à sociedade”, afirma o gerente de Concessões do SFB, Marcelo Arguelles.

Preço único
Para participar, os empreendedores devem apresentar uma proposta de preço acima do valor mínimo por metro cúbico de madeira definido pelo SFB. Na concessão para a Flona de Jacundá, esse valor é de R$ 56,94 por m³, e para a Flona Saracá-Taquera, de R$ 53,27.

Em Jacundá, as espécies mais comuns na área a ser concedida incluem o tauari, a guaribua, o cumaru e o jatobá; em Saracá-Taquera, o cumaru, a massaranduba, a itaúba e a cupiúba.

Quem concorrer aos editais deve apresentar, além da proposta de preço, uma proposta técnica que tem, entre os indicadores, o número de empregos a serem gerados, o grau de processamento local do produto e o aproveitamento de resíduos florestais.

A pontuação do candidato na licitação é formada pela soma dos pontos obtidos na proposta de preço, que corresponde a 40% do total, e da proposta técnica, que equivale a 60% do total com o objetivo de potencializar os benefícios sociais, econômicos e ambientais da concessão.

Os interessados devem ficar atentos às mudanças para a apresentação das propostas técnica e de preço, que agora devem ser acompanhadas de um documento que demonstre a viabilidade de cada uma. Essa inovação é resultado de uma resolução do SFB editada em dezembro do ano passado que procura qualificar as propostas.

Prazo
Cada edital é formado por anexos que trazem informações sobre as condições logísticas para escoamento da produção, volumetria por espécie encontrada na área, indicadores eliminatórios, classificatórios e bonificadores para a concessão e podem ser consultados no site do SFB. O prazo vai até 11 de junho.

As concessões são um instrumento surgido com a Lei 11.284/06 (Lei de Gestão de Florestas Públicas) que permite conceder áreas de floresta para pessoas jurídicas de diferentes portes com o objetivo de fomentar a produção de madeira legal e sustentável e, assim, também combater o desmatamento e a grilagem de terras.

Concessão florestal atrai investimentos do BNDES
Contratos de longo prazo, regras bem definidas e segurança fundiária para manejo em floresta pública dão mais segurança ao financiador e ampliam chances de obter recursos. Concessionária na Flona do Jamari tem participação da BNDESPar

A perspectiva de lançamento de mais de 1 milhão de hectares para o manejo florestal em editais para concessão este ano pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e consequente assinatura de novos contratos pode ampliar a presença do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nesse instrumento de gestão de florestas públicas.

“É de interesse do BNDES apoiar o Serviço Florestal e as empresas brasileiras no âmbito desse mecanismo tão interessante que são as concessões”, afirmou o chefe do Departamento de Meio Ambiente do Banco, Márcio Costa, na última quarta-feira, 11, durante painel sobre financiamento na V Feira Brasil Brasil Certificado, em São Paulo (SP).

Os empreendedores que vencem uma concessão contam com a possibilidade de obter dois tipos de apoio. “Um é o apoio direto em participação acionária. Nós sabemos que o aporte de capital é muito importante para os investimentos, e isso pode ser associado à nossa segunda forma de atuação, que é o financiamento”, disse.

Há, inclusive, a possibilidade de que sejam criados novos instrumentos. “Nós vamos procurar disponibilizar os instrumentos de apoio financeiro que nós temos hoje e, na medida da evolução, tentar adaptar ou mesmo criar novos mecanismos para tornar mais adequados às demandas existentes na realidade.”

A segurança fundiária da área concedida, a existência de normas sobre o processo e a duração dos contratos entre o SFB e o concessionário, que podem ser de até 40 anos, são aspectos que favorecem o ambiente de negócios e as chances de as empresas obterem os recursos do Banco.

“O fato de o beneficiário ter ganho uma concessão e estar fazendo os investimentos nela, com regras bem estabelecidas, em contratos de longo prazo, dá mais segurança ao financiador no que se refere à análise de risco”, afirmou. “Desse ponto de vista, o risco é bem menor e, sem dúvida, favorece a análise do investimento.”

A BNDESPar, empresa de participações do BNDES, é acionária de uma empresa que tem contrato com o SFB para o manejo de 46 mil hectares na primeira floresta nacional (flona) sob concessão, a Flona do Jamari, em Rondônia. Foi o primeiro investimento em capitalização no setor florestal de manejo sustentável da BNDESPAR, que tem participação acionária em mais de 100 empresas, abertas e fechadas, de diferentes tamanhos.

INCÊNDIO É CONTROLADO NA CHAPADA DIAMANTINA

Priscila Galvão
Brasília (16/04/2012) – “O sertão da Bahia enfrenta uma das piores secas dos últimos 30 anos e o Parque Nacional da Chapada Diamantina está vulnerável aos incêndios florestais”, relatou o chefe do Parque Nacional da Chapada Dimantina, Bruno Lintomem, ao explicar sobre o incêndio na região.

No último mês, a região do parque enfrentou diversos focos de incêndio florestal, resultado da seca prolongada que assola a região. “O incêndio que atingia a região de Campos de São João, na Bahia, próximo ao Morro do Pai Inácio, na Chapada Diamantina, desde sexta-feira foi finalizado”, concluiu Lintomem.

Além dos danos causados ao ecossistema da região de Campos de São João, o incêndio atingiu e danificou a rede elétrica e o sistema de água da vila.


Comunicação ICMBio

domingo, 15 de abril de 2012

Ministra e diretor do Pnuma falam sobre governança na Rio+20

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o diretor executivo do Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma), Achim Steiner, debatem no Rio de Janeiro sobre governança ambiental na Rio+20, conferência sobre desenvolvimento sustentável que será realizada de 13 a 22 de junho no Rio de Janeiro. A coletiva aos jornalistas será realizada antes do encontro, que será fechado à imprensa.
Quando: Segunda-feira, 16 de abril, às 9h30
Onde: Solar da Imperatriz, Jardim Botânico do Rio de Janeiro, acesso pela rua Pacheco Leão, 2040, Horto – RJ

sábado, 14 de abril de 2012

FOTO DO DIA - SOMBRA!


FOTO: Ronaldo Kotscho

Inscrições para o Prêmio ANA 2012 estão abertas


Governo; empresas; organizações não governamentais; pesquisa e inovação tecnológica; organismos de bacia; ensino; imprensa; água e patrimônio cultural. Estas são as oito categorias que estão em disputa no Prêmio ANA 2012, que reconhece boas práticas que se destacam pela excelência e contribuição para a gestão e o uso sustentável dos recursos hídricos brasileiros. As inscrições são gratuitas e estão abertas até 1º de junho.

A avaliação dos trabalhos será feita por uma Comissão Julgadora composta por membros externos à ANA com notório saber na área de recursos hídricos ou meio ambiente. Um representante da Agência presidirá o grupo, mas sem direito a voto. Os critérios de avaliação são os seguintes: efetividade; impacto social; potencial de divulgação/replicação; adesão social; originalidade e sustentabilidade financeira.

A Comissão Julgadora vai selecionar três iniciativas finalistas e uma vencedora em cada categoria. Os trabalhos ganhadores serão conhecidos em solenidade de premiação marcada para 5 de dezembro de 2012 no Teatro da Caixa Cultural de Brasília. A Caixa Econômica Federal é a patrocinadora exclusiva do Prêmio ANA. Os oito vencedores receberão o Troféu Prêmio ANA, concebido pelo mestre vidreiro italiano Mário Seguso.

As inscrições devem ser enviadas por remessa postal registrada aos cuidados da Comissão Organizadora do Prêmio ANA 2012 no seguinte endereço: SPO, Área 5, Quadra 3, Bloco "M", Sala 222, Brasília-DF, CEP: 70610-200. A data de postagem será considerada como a de entrega. Os concorrentes poderão inscrever mais de uma iniciativa e apresentar trabalhos indicados por terceiros, desde que acompanhados de declaração assinada pelo indicado, concordando com a indicação e com o regulamento da premiação.

O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no hotsite do Prêmio: www.ana.gov.br/premio. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail premioana@ana.gov.br ou pelo telefone (61) 2109-5412.
Prêmio ANA
Texto:Ascom/ANA
Foto: Mauro Viery/Banco de Imagens ANA

PROJETO ONÇAFARI


Durante uma expedição de captura do Projeto Onçafari no início do mês, a equipe do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), acompanhada do analista ambiental Rômulo Mello, capturou uma onça-pintada, macho adulto, de 112 kg, em Miranda, no Mato Grosso do Sul.

O Projeto Onçafari é coordenado pelo Cenap/ICMBio em parceria com a Wildlife Conservation e o Refúgio Ecológico Caiman. O objetivo é estabelecer protocolos para o turismo de avistamento de onça-pintada e, com isso, aumentar as chances de o turista ver o animal em seu ambiente natural sem que haja alterações no comportamento e qualquer risco de acidente.

“Devemos lembrar que recentemente tivemos dois ataques a seres humanos no Pantanal Norte, provavelmente porque os animais estavam sendo cevados e, ainda, as embarcações estavam se aproximando muito das onças”, ressalta Ronaldo Morato, coordenador do Cenap. Experiências na África mostram que os animais não precisam ser cevados, eles podem se habituar a presença dos veículos sem alteração de comportamento.

Rômulo Mello, ex-presidente do ICMBio, destacou que é muito importante que um projeto como esse tenha envolvimento de todos os setores da sociedade e com certeza essa parceria trará importantes resultados para a conservação da biodiversidade no Pantanal.

Onças-pintadas que estão sendo aparelhadas com colar GPS-Satélite serão acompanhadas de perto e seu comportamento será avaliado com auxílio de um etograma – registro detalhado do comportamento de um animal. Ao final do estudo espera-se ter um protocolo que oriente guias e turistas para o avistamento desses animais. “O ecoturismo tem sido um aliado importante na conservação de áreas naturais e dos animais que nela vivem, trazendo valor econômico e, consequentemente, aumentando o interesse pela conservação da natureza no mundo todo”, diz Mário Haberfeld, um dos coordenadores do projeto.



Comunicação ICMBio

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Fiemg promove palestra sobre o relacionamento das empresas para o desenvolvimento sustentável

Hoje nas empresas a ideia de sustentabilidade para ser “ambientalmente correto” está bem difundida, mas a indústria está no caminho certo? O setor produtivo tem cumprido com suas responsabilidades quanto o assunto é sustentabilidade? Como avaliar o fator ambiental para o negócio? Como transformar o fator ambiental de risco em um diferencial de mercado? Para responder a estes questionamentos, a FIEMG Regional Vale do Paranaíba, CNI (Confederação Nacional da Indústria) e os Sindicatos das Indústrias promovem no dia 13 de abril, às 8h30, no auditório da FIEMG Regional (Av. Rondon Pacheco, 2100), uma palestra sobre o relacionamento das empresas com o meio ambiente.

O objetivo é compreender a reestruturação das indústrias, inseridas no mercado cada vez mais competitivo, sob a ótica do desenvolvimento sustentável do país. O presidente da Fiemg Regional, Pedro Lacerda, acredita nos benefícios que as empresas podem obter ao aderir essa postura. “Nós entendemos a importância das empresas em promover ações para a sustentabilidade ambiental no desenvolvimento do seu próprio negócio, sabemos que a perenidade destas empresas no mercado dependem de uma planejamento ambiental”, afirma.
Palestrante

O advogado, Leonardo Lamego é membro da comissão de Meio Ambiente da OAB/MG e irá ministrar a palestra. A intenção é repassar e reforçar aos sindicatos que exerçam o seu papel de representação e defesa dos interesses da indústria em matérias relacionadas ao meio ambiente, incluindo um Plano de Ação de Defesa de Interesses (PADI) para um dos temas abordados.

Fonte: Brandpress

quinta-feira, 12 de abril de 2012

FOTO DO DIA - SOZINHO NO PARQUE!


FOTO: Renata Kotscho

SÃO PAULO SE PREPARA PARA INICIAR COLETA DE LIXO AUTOMATIZADA


Novíssimo sistema de deposição e recolhimento do lixo semelhante ao implantado no projeto Copa do Mundo na Africa do Sul, em Abu Dhabi e em muitas cidades europeias, está em fase de implantação do projeto piloto em São Paulo e promete acabar de vez com as montanhas de sacos de lixo depositados nas calçadas .

A empresa TNL, que criou o sistema que permitiu implantar a coleta mecanizada, através de containers que ficam enterrrados sob as calçadas e são movimentados por sofisticados sistema de automação, chegou ao pais e, em pouco tempo, já deixa sua marca no projeto piloto que começa a operar em poucos dias no bairro paulistano dos Jardins. Utilizando tecnologia europeia com equipamentos fabricados pela unidade brasileira da NL, o modelo aprimora o sistema de gerenciamento do lixo e promete dar um salto no saneamento básico, ao diminuir substancialmente o contato da população com material em decomposição e possíveis focos de contaminação. Sem contar a visível melhora da paisagem urbana desta cidade já tão sacrificada por problemas de superpopulação,além de trazer ares de modernidade para aspectos importantes relacionados a sustentabilidade e educação ambiental.

quarta-feira, 11 de abril de 2012

Demanda por produtos florestais traz oportunidade para ampliar manejo


Mercado interno puxa consumo de madeira nativa, mas apenas 7% das florestas são usadas para produção sustentável. Incentivos e política forte de fomento são necessárias, afirma diretor-geral do SFB

A área florestal brasileira e a tendência de aumento na demanda por madeira legalizada no mercado nacional trazem a oportunidade de ampliar o manejo florestal e a quantidade de florestas plantadas no país para a produção de bens e serviços.
A afirmação foi feita pelo diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), Antônio Carlos Hummel, no primeiro dia do fórum de debates da V Feira Brasil Certificado, que começou na terça-feira, 10, em São Paulo (SP).
“O mercado interno consume cerca de 85% da madeira tropical e a estruturação de programas de compras sustentáveis por parte dos governos, além da tendência de aumento de produtos florestais para celulose e energia, são eventos que podem ser bem aproveitados para fortalecer as práticas florestais sustetáveis e a cetificação florestal”, disse.
Potencial
Ao mesmo tempo em que a procura por produtos florestais caminha para um aumento, as áreas de florestas manejadas têm um amplo potencial de ampliação. “Em torno de 60% do território brasileiro é de florestas, a maioria públicas, mas só 7% estão destinadas à produção florestal sustentável. Há muita floresta e pouco uso”, afirmou. “O Brasil não pode ser eternamente um país com potencial, tem que transformar essa potencialidade em ganhos econômicos, sociais e ambientais para a população.”
Entre as florestas que poderiam servir à produção estão aquelas localizadas em terras públicas e que ainda não foram destinadas. Segundo o Cadastro Nacional de Florestas Públicas, aproximadamente 70 milhões de hectares não foram designadas para nenhum uso, ou seja, podem estar sendo objeto de exploração ilegal e grilagem.
“Mas tudo isso pressupõe um forte combate à ilegalidade da madeira. Temos que sair das práticas tradicionais de comando e controle que não têm dado resultados significativos. Os processos de punição precisam ser aperfeiçoados, incluindo a pactuação e o controle social dos diversos atores que atuam na cadeia produtiva”, diz o diretor-geral do SFB.
Segundo relatório do Serviço Florestal, se 36 milhões de hectares estivessem sob manejo florestal na Amazônia, o país conseguiria atender a uma demanda estimada de 21 milhões de metros cúbicos de madeira por ano de forma sustentada, manejada e certificada. “Nós podemos fazer uma revolução se utilizarmos essas terras que já estão na governabilidade do governo”, afirmou Hummel.
Desafios
Para avançar a produção florestal, seja em terras públicas ou privadas, é necessário criar incentivos robustos. Segundo Hummel, um dos principais desafios é ter uma política de fomento que traga o setor para um patamar mais alto.
“Estamos terminando um estudo para entender quais são as estratégias necessárias para fomentar floresta no Brasil. Não podemos mais ficar em um debate em que o setor florestal sempre sai perdendo se comparado ao setor agrícola.”
Outras necessidades do setor incluem maior acesso ao crédito, melhor infraestrutura para a produção e o combate contínuo à madeira ilegal. Os benefícios são tangíveis: madeira legal, ampliação da oferta de empregos, aumento da renda, redução de custos com comando e controle e de emissões de gases do efeito estufa.
“Já tivemos momentos mais motivadores para essas discussões e temos que ter um movimento em torno disso. A Feira Brasil Certificado pode ser um marco”, afirmou Hummel.
O Serviço Florestal também participa do fórum de debates desta quarta-feira na sessão "Estado da arte do financiamento do manejo florestal na Amazônia", que termina às 13h, e “Madeira legal na Amazônia: entraves para o avanço da sustentabilidade do setor florestal”, com o gerente de Concessões do SFB Marcelo Arguelles, com início às 15h. A Feira é realizada no Centro de Eventos São Luís, Rua Luís Coelho, em São Paulo (SP), até quinta-feira, 12.

Piscinão de Ramos e a UTR do Arroio Fundo serão demonstrados esta semana no Rio

A DT Engenharia expõe, entre terça e quinta-feira (11 e 13), no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro, as Unidades de Tratamento de Rios (UTRs) FLOTFLUX® do Arroio Fundo, de Barra de Guaratiba, do Rio Carioca e do Canal da Rocinha, assim como o Piscinão de Ramos, que possui um sistema de tratamento patenteado desde a captação da água até a sua destinação para a Baía de Guanabara.

As UTRs e o Piscinão de Ramos operam através do sistema FLOTFLUX®, processo de aplicação sequencial e em fluxo das técnicas de Coágulo/Floculação e Flotação para melhoria de cursos e corpos d'água. Desenvolvida pela DT Engenharia, com dezenas de aplicações consagradas, é uma tecnologia exclusiva de tratamento de água, esgoto, rios e balneários, 100% nacional e inédita em escala mundial, com patente e marca registrada junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

A UTR do Arroio Fundo, que trata atualmente 1.800 litros por segundo, deságua na Lagoa da Tijuca e recebeu em julho a visita dos representantes do Comitê Olímpico Internacional (COI). A UTR faz parte do projeto de despoluição das lagoas da Tijuca, Marapendi, Camorim e Jacarepaguá, compromisso do Caderno de Encargos das Olimpíadas de 2016.

A DT integra o estande da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro durante a ExpoASEAC - UniCEDAE - Exposição de Tecnologia e Equipamentos para Saneamento e Encontro Técnico. A empresa demonstrará o funcionamento do processo FLOTFLUX® e sua aplicação para os rios e sistemas lagunares do município.

Na terça-feira (11) o evento estará aberto das 17h às 21h. Já nos dias 12 e 13, o horário de funcionamento é das 11h às 20h.



Fonte: Brandpress

POLUIÇÃO DA SABESP NO CANAL DE SÃO SEBASTIÃO!


FOTO: Ronaldo Kotscho

Nem mesmo choveu e o esgoto corre solto para o canal de São sebastião. A SABESP aqui na região tem feito um trabalho mal feito em todos os sentidos. O cuidado com o meio ambiente não existe, infelizmente.

ICMBIO LANÇA PLANO PARA CONSERVAR AVIFAUNA DA CAATINGA

Aldo Vasconcelos

Elaborado por meio de uma oficina de planejamento participativo realizada em outubro de 2011, em João Pessoa (PB), o Plano de Ação Nacional (PAN) Aves da Caatinga, coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) através do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (CEMAVE/ICMBio), tem por objetivo atender 14 espécies de avifauna ameaçadas de extinção no bioma que se estende por quase todos os estados do Nordeste brasileiro, além do norte de Minas Gerais.

O PAN, desenvolvido em parceria com entidades como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF-MG) e universidades da região, constitui um marco na conservação das aves habitantes da Caatinga, que correspondem a 533 espécies – sendo 23 delas endêmicas – mas ainda são timidamente estudadas, apesar de o bioma ser apontado como uma das mais importantes áreas de endemismo da avifauna sul-americana.

De acordo com o coordenador do CEMAVE/ICMBio, João Luiz Nascimento, a matriz de planejamento do PAN traça cinco metas a serem atingidas até 2016. “Esses objetivos incluem a redução da captura e do tráfico do periquito-cara-suja (Pyrrhuragriseipectus), a diminuição das taxas de perdas de formação arbórea e de outras formações da Caatinga nas áreas importantes para a conservação das espécies-alvo, além da promoção da conectividade entre fragmentos remanescentes. Também contempla o cálculo estimativo do tamanho populacional das espécies e a manutenção ou aumento da área de ocupação delas e a redução da pressão de caça sobre a jacucaca (Penelopejacucaca) e o zabelê (Crypturellusnoctivaguszabele)”, explica João Luiz.

“No último dia 30 de março foi publicada no Diário Oficial da União a Portaria no 106 de 29 de março de 2012, que institui um Grupo Assessor para acompanhar a implementação e realizar a monitoria do PAN”, destaca João Luiz. O grupo é composto por 10 membros – entre representantes do ICMBio, universidades e ONGs – sob a coordenação do biólogo Antonio Eduardo Barbosa, analista ambiental do CEMAVE/ICMBio.

João Luiz ressalta ainda que as outras três espécies de aves ameaçadas na região – o soldadinho-do-Araripe (Antilophiabokermanni), a arara-azul-de-Lear (Anodorhychusleari) e a ararinha-azul (Cyanopsittaspixii) – já são contempladas por Planos de Ação específicos desenvolvidos pelo ICMbio.

Comunicação ICMBio

terça-feira, 10 de abril de 2012

2°MANIFESTAÇÃO CONTRA A AMPLIAÇÃO DO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO



SÁBADO: 28 DE ABRIL EM FRENTE À CAPITANIA DOS PORTOS, ÀS 15 HORAS!

Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia 2012 abre inscrições


Estão abertas as inscrições para o Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia de 2012, com o tema principal “Inovação tecnológica na saúde”. Estudantes e pesquisadores de todo o Brasil e dos demais países membros e associados do Mercosul (Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Bolívia, Chile, Peru, Colômbia e Equador) devem enviar seus projetos até 9 de julho, por meio deste site http://eventos.unesco.org.br/premiomercosul.

Os trabalhos devem englobar a região Mercosul e se relacionar a prevenção, tratamento, desenvolvimento de vacinas, diagnósticos, medidas sanitárias e novas tecnologias biomédicas e farmacêuticas para: doenças de caráter infeccioso; encefalites; doenças endêmicas agudas e crônicas; doenças crônico-degenerativas e imunológicas; doenças neurológicas; doenças crônicas não transmissíveis.

A premiação abrange do ensino médio ao doutorado e é dividida em quatro categorias: Iniciação Científica – estudantes do ensino médio com idade até 21 anos, com ou sem orientação de professor (prêmio: US$ 2.000); Estudante Universitário – sem limite de idade, com ou sem orientador (prêmio: US$ 3.500); Jovem Pesquisador – graduados com até 35 anos (prêmio: US$ 5.000); Integração – equipes compostas por pesquisadores graduados em pelo menos dois dos países do grupo, sem limite de idade (prêmio: US$ 10.000).

A cerimônia de entrega do Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia deste ano será realizada no Brasil, em data e local a serem definidos. O prêmio foi criado pela Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia (RECyT), é patrocinado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil (MCTI/Brasil) e apoiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/Brasil); pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco); pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC); pelo Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina; pelo Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia do Paraguai; pelo Ministério de Educação e Cultura do Uruguai; e pelo Observatório Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação da Venezuela.

Histórico

O prêmio, criado em 1998, tem como objetivos: reconhecer e premiar os melhores trabalhos que apresentem contribuições para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação; incentivar a realização da pesquisa científica e tecnológica e a inovação; e contribuir para o processo de integração regional entre os países membros e associados ao bloco. Nas oito edições anteriores, concorrentes brasileiros foram premiados em pelo menos uma das categorias.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

NOVO VAZAMENTO DE ÓLEO DA PETROBRÁS NO CAMPO DO RONCADOR

Fonte: Assessoria de Imprensa ANP

A ANP tomou conhecimento, na noite de domingo (08/04/2012), do vazamento de gotículas de óleo a partir do solo marinho do Campo de Roncador, operado pela Petrobras. Roncador é vizinho do Campo de Frade, operado pela Chevron, onde ocorreu um blowout em 7/11/2011.

O ponto do vazamento no Campo do Roncador foi localizado a partir de inspeções submarinas com ROVs (Veículo Operado Remotamente), estando situado a cerca de 500 metros da fronteira com o Campo de Frade. Até o momento, não há identificação de mancha na superfície do mar.

Foram coletadas amostras do óleo do Campo de Roncador, com o objetivo de identificar a origem do vazamento. Os resultados devem ser obtidos em até 48 horas.

A ANP seguirá acompanhando estreitamente o incidente e manterá a sociedade informada sobre os seus desdobramentos.

Paisagismo com árvore frutífera garantem um belo visual

Frutas saborosas como laranja, romã, jabuticaba, entre outras, dão vida aos jardins.

Algumas pessoas ainda trazem na memória as casas do interior de quando eram criança ou a casa dos avôs, onde as plantas frutíferas tinham seu lugar garantido. Era a alegria das crianças, que além de saboreá-las aproveitava a sombra para brincar e, dependendo da espécie, até arriscava uma escalada em seus galhos. Atualmente é contemporâneo resgatar a qualidade de vida e, por isso, é tendência o uso de plantas frutíferas em paisagismos.
A ideia de pegar a fruta no próprio pé e mostrar para o filho é realmente fascinante para muitas pessoas e isso, com certeza, provoca uma aproximação do homem com a natureza. “Este tipo de planta atrai passarinhos, contribui para todo o ecossistema, além de ser educativa para casas que possuem crianças, pois percebem o desenvolvimento da árvore desde seu crescimento até chegar ao ponto de ser consumido.”, explica a paisagista Daniela Sedo.

Segundo a arquiteta, as espécies mais utilizadas são Jabuticabeira, Laranja, Mexerica Pitanga, Romã, Macieira, Kiwi, Amora, entre outras. Em volta das árvores, os pisos precisam ser porosos, sem caminhos muito próximos, por causa de algumas raízes serem agressivas e rústicas. Porém, no projeto de paisagismo em áreas externas não há necessidade que todas as frutíferas sejam da mesma espécie, há como alternar com outros tipos de plantas, arbustos e diferentes espécies frutíferas num mesmo jardim. Dependendo do estilo desejado, em áreas de quintal ou lateral elas podem estar juntas a hortas.

Porém, os projetos com árvores frutíferas não estão sendo desenvolvidos apenas em áreas amplas de casas, mas há também em condomínios verticais, em varandas de apartamentos. Entretanto, as espécies de grande porte não se desenvolvem em vasos, mesmo que plante dificilmente dará frutos, mas a romã, pitanga, acerola, limão e jabuticaba frutificam muito bem nestes nichos. É necessário que a terra esteja bem adubada e os vasos sejam grandes. Quanto maior o espaço melhor, com banho de sol de pelo menos 4 horas diárias.

No entanto, como em qualquer área verde, é necessário cuidado para que as espécies cresçam e se desenvolvam sempre verdinhas e saudáveis. “É necessário regar muito, não pode faltar água; adubar no mínimo quatro vezes por ano; ter acompanhamento de um agrônomo ou paisagista para verificar a saúde da planta.”, finaliza Daniela Sedo.

Conheça alguns projetos da paisagista no www.danielasedo.com.br

EMPRESA LANÇA PROJETO DE SUSTENTABILIDADE PARA A ÁREA DE EVENTOS

Iniciativa é baseada em práticas internacionais que integram a ISO 20121, norma que aguarda aprovação para este ano; objetivo é engajar as empresas a partir de seus próprios eventos


São Paulo, abril de 2012 - Uma das pioneiras na disseminação de práticas sustentáveis no setor, a empresa Zum Brazil Eventos está lançando o projeto Sustenta Brazil. O objetivo é auxiliar as empresas a incorporarem a cultura da sustentabilidade a partir de ações aplicadas em seus próprios eventos, segundo o coordenador da iniciativa, o biólogo Ricardo Rosário, que possui mestrado em Meio Ambiente e Biodiversidade, especialização em Direito Ambiental e Gestão de Sustentabilidade e é professo r convidado da Universidade Mackenzie.

O projeto é orientado pelas diretrizes da British Stardards Institution (BSI), entidade inglesa sem fins lucrativos que trabalha na elaboração da IS0 20121, Norma Internacional voltada à gestão sustentável na indústria de eventos que aguarda aprovação para os próximos meses. Cerca de 30 países trabalham conjuntamente com a BSI nessa questão - entre eles o Brasil.

O Sustenta Brazil, que também segue as normas internacionais da Global Reporting Initiative (GRI), reúne um conjunto de medidas nos âmbitos econômico, ambiental e social. A GRI é uma organização não-governamental sediada na Holanda.

Dividido em três fases (planejamento, implementação e comunicação), o projeto acaba de ser efetivamente implantado, depois de a Zum Brazil realizar, entre outras medidas, um forte trabalho de conscientização com seus colaboradores, por meio de técnicas que auxiliam na compreensão do tema e engajamento.

Com o objetivo de dar uma base sólida ao projeto, a Zum Brazil, que prevê realizar cerca de 40 eventos em 2012, buscou as melhores práticas internacionais junto àBSI. A entidade é responsável pelo estabelecimento da Norma BS 8901, cujas diretrizes têm sido utilizadas em eventos internacionais como as Olimpíadas de Londres e serviram de base para a construção da ISO 20121.

No Brasil, mercado que está bastante envolvido com o tema, os trabalhos são liderados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). No final do ano passado, São Paulo recebeu os representantes de todos os países envolvidos na elaboração da norma.

Exemplos Sustentáveis

De acordo com Rosário, que atuou por vários anos no mercado de neutralização de carbono, o cumprimento das diretrizes da BSI exige extrema seriedade e estrutura por parte das empresas organizadoras de evento. "A cada dois anos, devemos apresentar à GRI o relatório de sustentabilidade, juntamente com o balanço financeiro e social e a evolução do processo sustentável dos eventos realizados", explica o executivo.

Para o especialista, existem várias formas de envolver as companhias no processo de cuidar do planeta sem que os interesses comerciais sejam deixados de lado. "O grande desafio, porém, está em promover a mudança cultural nas organizações, uma vez que do ponto de vista financeiro hoje é perfeitamente possível produzir eventos 100% sustentáveis e economicamente viáveis", afirma.

Exemplo de um recurso interessante e ainda pouco aplicado nos eventos, apesar do custo reduzido, é a reciclagem de resíduos orgânicos. "Por meio da técnica de compostagem, com a utilização de minhocários, é possível transformar restos de alimentos acumulados durante um evento em adubo", explica ele.
Para estimular a sustentabilidade no mundo corporativo, o Sustenta Brazil criou um Selo de Sustentabilidade (ouro, prata e bronze), que dá às empresas a possibilidade de adotar ações paulatinamente e de acordo com o investimento disponível para o evento. Para viabilizar esse trabalho de conscientização, cada categoria do selo possui requisitos específicos e obedece a uma ordem crescente, buscando a maturidade das ações.
O bronze, por exemplo, exige cinco ações e conta com sete recomendações sustentáveis, sendo quatro obrigatórias, entre elas a gestão de resíduos secos e eletrônicos, utilização de materiais de comunicação adequados e elaboração de relatório sustentável.

As outras categorias, prata e ouro, estimulam a aplicação de ações mais complexas, tais como envolvimento da comunidade, programas de interação e conscientização com os convidados, proteção de ecossistemas, programa de redução de emissão de gases, emprego de método anticorrupção e assim por diante.

"Ao longo dos últimos três anos fizemos a lição de casa necessária, que é bastante complexa, e capacitamos nossa equipe para que pudéssemos atender o mercado com as práticas conhecidas e conceituadas mundialmente, pois além da cadeia de produção de eventos propriamente dita, as ações podem envolver vários segmentos da sociedade, como o governo em suas diversas esferas", afirma Rosário.

Sobre a Zum Brazil Eventos

Empresa especializada em eventos, a Zum Brazil está no mercado há 11 anos. Atende as áreas de eventos corporativo, comemorativos e promocionais, shows, infraestrutura para recepções, turismo de negócios e viagens de incentivos. Entre seus clientes estão empresas como IT Midia, Hospital Santa Paula, Odebretch, Camarote Revista Quem e Ivete Sangalo; Terex Latin America, Laboratórios Roche entre outros.Mais informações pelo site:www.zumbrazil.com.br


Informações para a Imprensa:
Fonte da Notícia
(011) 3539-8741/42
Contatos
Sônia Martinêz
(011)7681-0726
soniamartinez@fontedanoticia.com.br

Marlene Maeda
(011)8269-6695
Patrícia Toddai
(011)9640-0800
redacao@fontedanoticia.com.br

VAZAMENTO DE ÓLEO DA TRANSPETRO EM TRAMANDAÍ(RS) : 33.600 LITROS


O laudo técnico conjunto referente ao vazamento de óleo ocorrido em 26/01/2012 em uma monobóia da Transpetro, em Tramandaí (RS)foi divulgado: A quantidade estimada de óleo vazado, calculada pelos técnicos do Ibama, Marinha do Brasil e Fundação Estadual de Proteção Ambiental - Fepam é de aproximadamente 33.600 litros.

O valor das multas foi anunciado às 10h30m na sede da Superintendência, em Porto Alegre. O laudo aponta um total de quatro autos de infrações que serão aplicados a Transpetro: um da Fepam e três do Ibama. Para o superintendente do Ibama/RS, João Pessoa Moreira Junior, “é importante destacar o trabalho conjunto entre os três órgãos, o que fornece uma base técnica qualificada ao laudo técnico”.

Pelo não cumprimento do Projeto de Monitoramento Ambiental (uma condicionante da Licença de Operação expedida em 19/07/2010 pelo Ibama) a Transpetro receberá uma multa diária de R$ 5 mil, até o cumprimento do projeto. Pelo vazamento foram duas multas, uma do Ibama e outra da Fepam. De acordo com o auto de infração do órgão ambiental estadual, a subsidiária da Petrobras foi multada em R$ 1.190.768,00 conforme previsto na Lei de Crimes Ambientais (9605/98) pela poluição causada na praia.

Segundo os técnicos da Fepam, o derramamento de óleo acabou por aportar na costa atingindo uma extensão de 3.500m da orla. E pelo derramamento de óleo no mst o Ibama aplicou a Lei 9.966 (28/04/2000) que dispõe sobre a prevenção, o controle e a fiscalização da poluição causada por substâncias nocivas ou perigosas em águas sob jurisdição nacional. Por esta infração foi aplicada multa de R$ 1,2 milhão.

Pelo uso de dispersante químico em desacordo com a Resolução Conama 269 (que prevê o uso do produto a uma distância de dois mil metros da costa e com a água a uma profundidade de 15 metros) a empresa recebeu uma multa de R$ 500 mil. Esta é a primeira vez que o Ibama aplica multa pelo uso inadequado de dispersante. A Transpetro foi comunicada das autuações do Ibama nesta quarta-feira (04/04).

Assinam o laudo técnico, o analista ambiental do Ibama Kuriakin Toscan, coordenador do Serviço de Emergências Ambientais; o biólogo Diego Hoffmeister e o engenheiro químico André Milanez, do Serviço de Emergências Ambientais da Fepam e a oceanóloga Keity Corbani Ferraz, consultora da gerência de Meio Ambiente da Diretoria de Portos e Costas da Marinha do Brasil. Capitão dos Portos da Capitania dos Portos do Rio Grande do Sul, comandante Nilson Seixas dos Santos e do engenheiro químico André Milanez representando a Fundação Estadual de Proteção Ambiental.

Maria Helena Firmbach Annes
Ascom - Ibama/RS
Foto: Kuriakim Toscan/Ibama

Manaus receberá secretários de meio ambiente do Norte


Encontro será no Parque do Mindu, no bairro Parque Dez
A Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) estará realizando na próxima terça-feira (10), a partir das 9h, no auditório do Parque Municipal do Mindu o Encontro de Secretários Municipais de Meio Ambiente da Região Norte. A finalidade é mobilizar as autoridades municipais de Meio Ambiente com vistas à realização de um estudo de casos que serão levados à reunião nacional de secretários municipais de Meio Ambiente que acontecerá nos dias 16 e 17 de maio, no Rio de Janeiro, encontro preparatório do qual sairão propostas à Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20). A mobilização vem acontecendo em todo o País.

O QUE: Reunião de secretários municipais de Meio Ambiente da Região Norte

QUANDO: Terça-feira (10), a partir das 9h

ONDE: Auditório do Parque Municipal do Mindu, localizado no Parque 10, Zona Centro-Sul
Fonte: PMM